segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Termas

Termas das Caldeiras da Ribeira Grande

41º Encontro dos USk Açores, EXPOLAB






Poema do coração de António Gedeão de 1967
(cartão escolhido pelo Daniel durante a proposta de actividade da Carolina Ferraz, dinamizadora do encontro na EXPOLAB)

Curioso o coração. 
Comprava corações de porco para desenhar, fotografar, congelava, descongelava, percebia as suas diferentes texturas, os seus compartimentos, sempre o vi como uma das mais belas formas naturais. A sua complexidade e a sua importância deixaram-me pela primeira vez sem palavras. Tudo continua a girar à sua volta. O seu valor e tudo o que a sua essência representa permite que a humanidade sobreviva e viva. Real ou Figurativo, o Coração neste poema é definido recorrendo a uma imagem científica, simbólica e muita humana. Gostei da coincidência.



Palheta de Saxofone Alto

41º Encontro dos USk Açores, EXPOLAB






O Daniel gostou muito das experiências e da sala das brincadeiras. Ficou a promessa de voltar lá mais tarde e de desenhar mais vezes. Perguntei-lhe se podia partilhar os seus desenhos e ele respondeu que sim. Gostava que os seus registos aparecessem no computador das outras pessoas. A única condição era que eles não desaparecessem do computador da mãe. Ficarão assim no meu computador, neste espaço e no meu coração. 

40º encontro USk Açores, PATATI PATATA




Uma tarde bem passada no espaço PATATI PATATA na companhia dos USk Açores. Obrigada Vanessa.

40º encontro USk Açores, PATATI PATATA




Das primeiras participações do Daniel nos encontros dos USk. Cada vez mais motivado e participativo. Disse-me que gostou de desenhar e de ver os registos das pessoas. Neste dia de partilha de desenhos, proposta lançada pela Vanessa Branco, o Daniel escolheu um desenho do António Cabral.

domingo, 11 de novembro de 2018

Zonas Balneares_ São Miguel_03

Praia dos Moinhos - Porto Formoso

Vinha da Areia - Vila Franca do Campo

Praia do Degredo - Vila Franca do Campo

41º Encontro USkP Açores

POEMA DO CORAÇÃO
"Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,
e também a Bondade,
e a Sinceridade,
e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração
Então poderia dizer-vos:
"Meus amados irmãos,
falo-vos do coração",
ou então:
"com o coração nas mãos".
Mas o meu coração é como o dos compêndios
Tem duas válvulas ( a tricúspide e a mitral)
e os seus compartimentos (duas aurículas e dois ventrículos).
O sangue a circular contrai-os e distende-os
segundo a obrigação das leis dos movimentos.
Por vezes acontece
ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados
e uma lâmina baça e agreste, que endurece
a luz nos olhos em bisel cortados.
Parece então que o coração estremece.
Mas não.
Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático,
que esse vento que sopra e ateia os incêndios,
é coisa do simpático.
Vem tudo nos compêndios.
Então meninos!
Vamos à lição! 
Em quantas partes se divide o coração?"     
  António Gedeão



No dia Internacional dos Museus e dos Centros de Ciência a Expolab encheu-se de caras novas para desenhar em caderno. Começámos por identificar nos poemas de António Gedeão referências cientificas e desenhámo-las. Depois os, num ambiente animado, as experiências de Rómulo de Carvalho.

(Aguarela, esferográfica e grafite)                                                                                                          «in situ»

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Bic, bic, bic...

No outro dia voltei a pegar numa Bic, eu já tinha saudades... 
... sentada no alto do Forno da Cal a apreciar Ponta Delgada

(Aguarela, esferográfica)                                                                                                       «in situ»



Zonas Balneares_ São Miguel_01

Palames - Povoação

Praia Pequena - Água d'Alto

Baixa da Areia - Caloura

domingo, 4 de novembro de 2018

Salto do Prego

A ida ao Salto do Prego, no Faial da Terra, é uma rotina anual agradável e serena embora acabemos sempre ensopados pela água da chuva. Há anos atrás não se encontrava vivalma naquele lugar paradisíaco, atualmente vê-se muita gente a banhar-se na cascata. A água é muito fria... gelada, mas o banho é revigorante. Desta vez fui surpreendida com galos e galinhas por ali a carcarejar, pareceu-me estranho confesso, até me fez pensar que - recentemente - se introduziram os mesmos animais no Jardim António Borges, deve fazer parte de algum projeto governamental... Entretanto abriram um trilho, mais acima, que permite seguir a ribeira que alimenta a cascata. É mesmo muito bonito e senti, novamente, que a ilha continua a aumentar...
(Aguarela, caneta caligráfica, carimbo, grafite e lápis de cor)                                                         «in situ»